quinta-feira, 19 de março de 2009

Banana Verde

Charge kibada descaradamente do jornal onde ele publicou.


"Nunca na História Deste País" vimos os militares se acharem tão donos de algo que não possuem: os rifles roubados da Cidade Antipatia e o direito de revistar pessoas e casas, constranger e intimidar.


Alguns de vocês podem ter lido, visto e presenciado a "Operação Ypiranga". Aos que estão fora do território brasiliano (conhecimento por conta do Feedjit), a história é a seguinte: cinco caras entraram pelos fundos de um quartel do Exército Brasileiro numa cidadezinha muquirana que tem como costume tratar mal os visitantes, recheando-os de areia e jogando no fundo de piscinas (Caçapava-SP). Roubaram sete fuzis FAL (Calibre 7.62x51 OTAN, que atravessa uma viatura como papel), além de munições, baionetas, suspensórios. As armas estavam dentro de um cofre colado com silvertape.

Pois bem... Depois disso, as Forças Armadas começaram uma busca frenética e desenfreada pelos civis que roubaram as armas. Obviamente começaram a procurar entre os "pretos, pobres e fudidos" - alvo principal dos Homens de Bem (lembrando que a tanto Caçapava quanto São José dos Campos são governados por pessoas do DEM e PSDB, respectivamente). Agora... Imagine que você está dentro de sua casa 4m X 5m, com seus quatro filhos, cozinhando o almoço. De repente você vê um veículo blindado entrando na rua de terra, com soldados descendo de todos os lugares. Isso foi a primeira intervenção no núcleo comunitário do Pinheirinho. Uma operação digna de filmes que retratam repúblicas bananeiras na América Central, onde o Mark Dacascos entra atirando em tudo e todos.

Depois disso virou a Festa da Jaca. Veio gente de todos os cantos do Comando Militar do Sudeste, todos procurando as armas. Casas reviradas, buscas sem mandado, bloqueios pedindo identificação - todos os dias o Valeparaibano (diário regional impresso) manda uma foto estilosa dos bloqueios. Qualquer semelhança com "Nova Iorque Sitiada" é a mais pura aspiração de cocaína - mania de grandeza misturada com delírio grandiloquente (o que combina com os prefeitos de Caçapava e São José dos Campos). Mais duas semanas estão mandando o Bruce Willis para fazer participação especial, por meio de um contrato irregular terceirizado da Urbanizadora Municipal de São José dos Campos Ltda - a Urbam.

"Nunca, na história desse país," esses filhos da puta desses milicos se sentiram tão donos de algo que não era deles: os rifles e o direito de revistar, constranger, cercar, intimidar. Eles se sentem como se voltássemos a 1968, só que dessa vez sem os hippies e comunistas (uma bênção para todos nós). Desde que o Figueiredo pediu para ser esquecido, esse pessoal andava com a moral baixa. Afinal de contas, depois que descobriram o bendito pré-sal, não precisaremos mais anexar a Bolívia e a Venezuela.

Hoje o Exército virou atração turística. Isso é tudo o que se pode dizer do Exército Brasileiro na Nova República. O povo só enxerga esse povo no Desfile de Independência e no Desfile de Aniversário da Cidade - uma espécie de Roberto Carlos dos Poderes Constituídos, que tem dia e hora para aparecer. Tentaram dar conta de um bando de esfomeados macumbeiros perdidos na América Central, e virou um lamaçal que só ficou um pouco melhor quando o Parreira levou o Ronaldinho Gaúcho para distrair a massa. Agora, quando teve um bom motivo para mostrar o poderoso e obsoleto arsenal de guerra do Brasil-il-il. Um pouco mais e vamos ver os aviões caça Mirage I, de fabricação francesa e do tempo que aquela música francesa de putaria era de sucesso, sobrevoando as favelas de Sanjusé.

Quanto à minha opinião sobre esse caso.... Bom... Ficaria feliz se um Tanque Osório (aquele mesmo que poderia ter sido a estrela do arsenal de guerra brasileiro mas perdeu por causa do lobby ianque) passasse por cima do carro de um vereador tucano no centro de São José. De preferência um ex-vereador. Ou mesmo do carro do José Serra. Com ele dentro.

Sem comentários: