quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Alan Moore, aquele cara batuta


Por mais que eu ache que o Alan Moore não passe de um hippie viciado em LSD e putaria (haja visto o livro que escreveu a quatro mãos com sua senhora, onde coloca Wendy, Alice e Dorothy em posições pouco ortodoxas), eu não tenho como não concordar com uma coisa que ele sempre faz: chiar quanto às adaptações em suas obras.

Eu, por muitas vezes, concordei e discordei de sua posição de "tirar o nome" de alguns trabalhos (A Liga Extraordinária SIM, é uma bosta, Do Inferno NÃO. V de Vingança NÃO é tão ruim quanto falam, mas Hellblazer AKA "Constantine" é SIM. Quanto a Watchmen...). Chamava-o de "chorão" por conta de seu fundamentalismo em cima de todos os diretores e roteiristas, que adaptavam suas histórias para o formato dos irmãos Lumiére.

O "choro" de Alan Moore se deve à única coisa que resta ao dramaturgo, escritor ou manufatureiro qualquer: o orgulho. A obra de uma pessoa - seja um portão, seja um romance, seja a descoberta do quark - é um momento de genialidade da pessoa. Significa que ela conseguiu conceber uma idéia e torná-la palpável. Viva. Até que alguém aparece e muda uma coisa aqui, outra ali e... quando menos espera... você é apenas um cara que escreveu uma história de merda. Isso já aconteceu antes, e vai acontecer novamente no futuro.

Falo sobre isso porque ontem eu soube o que sente Allan Moore quando vê suas obras sendo deturpadas. Mas isso é coisa de jornal - raramente o texto será mantido integralmente e tal (eu sei, caralho!), mas quando você se propõe, se compromete em uma coisa, está empenhado em ser X, mas te jogam para -X, não há como não sentir uma raiva desgraçada. Não com o mundo, não com quem mudou aquilo que fez... mas uma raiva da própria ordem do Universo em relação a isso.

Mas é só aquela outra coisa que faz com que a gente saia caminhando em direção ao horizonte. Pisando duro, mas nunca deixando de pisar.

PS: Eu ainda acredito que Watchmen pode ser uma adaptação fiel, se mantiverem três elementos: a narrativa entrecortada, as referências ao sangue e sexo, e se a historinha do pirata for mantida do mesmo jeito. O que é praticamente impossível, mas ainda sim é uma chance.

1 comentário:

saddam gos disse...

naum é tao impossivel, a historia do pirata esta presente no filme, e será lançada em dvd logo apos o lançamento do filme, com mais contos.
será um filme de açao com pg18, vc viu o trailer, eu tenho certeza q vem coisa boa