quarta-feira, 16 de abril de 2008

Dando um tempo na historinha que saiu errado... "Eu só Trabalho Aqui" parte 2: O Império Contra-Ataca

Guerra dos panfletos esquenta disputa eleitoral em Taubaté
Depois de Padre Afonso, Ortiz Júnior faz B.O. por distribuição de material apócrifo

fonte: www.valeparaibano.com.br - matéria do dia 16 de abril de 2008

A menos de seis meses da eleição, a guerra dos panfletos apócrifos tomou conta da disputa eleitoral em Taubaté e transformou a corrida pelo Palácio do Bom Conselho em caso de polícia.

Depois do deputado estadual Padre Afonso Lobato (PV) denunciar no último sábado a distribuição de material contrário a sua candidatura, ontem foi a vez do pré-candidato do PSDB, Júnior Ortiz, registrar boletim de ocorrência por suposto crime de injúria.

O tucano teve acesso a cópias da edição de um jornal que traz críticas a ele e a seu pai, José Bernardo Ortiz, cotado para ser vice na chapa majoritária do PSDB. Os folhetos estariam sendo distribuídos em pontos de grande fluxo de pessoas na cidade.

O episódio foi o terceiro envolvendo a proliferação de material publicitário apócrifo no período de pré-campanha, em que é proibida expressamente qualquer manifestação de propaganda envolvendo candidatos.

O primeiro caso havia atingido o prefeito Roberto Peixoto (PMDB), pré-candidato à reeleição.

Reproduções de carta com suposto pedido de votos do peemedebista aos eleitores foram distribuídas à população junto com uma cópia grosseira do do material oficial governo, confeccionado pela agência Regional Marketing.

DISTRIBUIÇÃO- Júnior Ortiz afirmou ontem que o material estaria sendo distribuído nas ruas do centro da cidade e teria chegado às suas mãos por meio de terceiros.

O panfleto destaca a seguinte frase: "[José Bernado] Ortiz avisa: meu filho nunca trabalhou na vida". A frase, assim como o texto a seguir, nunca teriam sido mencionados pelo ex-prefeito, que é pai de Júnior Ortiz e cotado para assumir a condição de vice na chapa tucana.

"São ataques pessoais injuriosos, baseados em declarações nunca ditas pelo meu pai. O texto diz, entre outras coisas, que fiz faculdade na Unitau com bolsa da prefeitura, o que não corresponde à verdade", disse.

O tucano não citou nomes, mas deixou transparecer que desconfia de um adversário em especial. "Eu acho muito estranho que o material contenha críticas a mim, ao meu pai, ao ex-prefeito Antonio Mário Ortiz (DEM) e ao atual, deixando de fora apenas um dos canditados", disse, em referência ao Padre Afonso. A ocorrência foi registrada ao final da tarde, no 1º Distrito Policial da cidade.

PADRE AFONSO- No caso que envolveu o Padre Afonso Lobato no sábado, quatro pessoas foram detidas por distribuir panfletos em que acusavam o pré-candidato do PV de defender práticas como o aborto e o consumo de maconha.

Três suspeitos foram flagrados pela Polícia Militar entregando o material na avenida José Olegário de Barros, no bairro Vila das Graças.

Já o proprietário da Empresa Gráfica Absoluta, Sidnei Domingos Carosini Júnior, foi convocado ao 1º DP ao se constatar que a empresa foi a responsável pela impressão e distribuição dos panfletos.

Segundo Lobato, o celular de Carosini foi apreendido pela polícia e poderá indicar quem encomendou o serviço, por meio de perícia nas últimas ligações.

"Eu registrei Boletim de Ocorrência não contra o jornalista que escreveu o artigo. Ele tem o direito de se manifestar, eu o fiz porque a forma como o material foi produzido, apimentando aquele artigo pretendia induzir o eleitor", disse.

O padre Afonso respondeu às suspeitas levantadas por Ortiz, considerando que este novo epsódio na 'guerra de contra-informação' pode ser uma encenação.

"Sou uma vítima de uma injúria. Quem está acostumado a este tipo de política são eles. Isto pode ter sido um ato teatral", afirmou.

***

Nas palavras das três crianças paranormais do filme Akira: "Já começou". Agora sim a merda vai feder.

E particularmente, no meu espaço de opinião pessoal que divido com os meus quatro leitores (exceto os perdidos da Inglaterra, Alemanha e outros lugares que aparecem no SiteMeter), eu quero dizer:

Quero que a Família Ortiz, que a equipe do Padre Afonso, que o prefeito de Taubaté e sua primeira-dama (com o filhão Felipe, de 20 anos), os diretórios do Democratas, do PMDB, do PT e de todas as siglas, os abutres da Imprensa Escrita, Falada ou Audiovisual, que os comentaristas políticos, cabos-eleitorais, sargentos-eleitorais e tenentes-eleitorais, VÃO MORDER SEUS PAIS NO MEIO DO CU.

É isso mesmo.

Eu, André Luiz de Almeida Diniz, jornalista formado pela FAAC-Unesp Bauru, simplesmente CANSEI DESSA MERDA DE JORNALISMO POLÍTICO DO VALE DO PARAÍBA. Agora, eu estou aqui só para trabalhar - cumpro minhas obrigações, conforme contrato firmado com a empresa Way Valley, como cumpri desde o primeiro dia. Só que não conte com uma grama de meu entusiasmo para fazer JORNALISMO PARA POLÍTICOS, que é diferente de fazer JORNALISMO POLÍTICO.

Eu consegui algo que imaginei que não fosse acontecer comigo: ter nojo da política. Agora entendo por quê meu pai faz três coisas quando tem eleição:

1) Justificar o voto em Santa Branca;
2) Voltar pra casa e fazer um churrasco com cerveja e pinga;
3) Coçar o saco quando passa a apuração na televisão.

Citando meu personagem favorito em "O Destino de Miguel":

"É uma viadagem atrás da outra! Não acaba nunca essa merda! (....) Agora eu vou pra minha residência, aonde eu fico longe desse bando de viado!" - Diretor do filme

Agora, só falta mais um tempero na corrida política taubateana: José Bernardo Ortiz "acidentalmente" defenestrar seu rebento, através de um buraco na rede de proteção, pela janela do sexto andar de um edifício residencial. Aí sim o circo vai estar armado. E serão mais dois meses de investigações, CSI's, entrevistas no Papo Vanguarda (uma vez que não temos Hoje em Dia na grade regional), especialistas em psiquiatria, e todo esse circo que foi armado em cima da "pequena Isabella".

Ademais, se ela não se parecesse com minha sobrinha Juliana (que descobri que virou uma Indie-Emo-From UK depois de velha) quando tinha seis anos, desejaria ardentemente que ela simplesmente se decomposse, virasse poeira e ossos, e deixasse nosso inconsciente o mais rápido possível. Mas concordo com um velho advogado que também lamenta a carreira que escolheu e olha as fontes da Praça da Bandeira, em Caçapava: foi o pai que matou a menina.
Agora, coloquem uma bala de .380 na Medula Oblongata dele e parem de encher nossos sacos, por obséquio.

3 comentários:

Long John Silver disse...

Como não estou envolvido com a "política" taubateana e, aliás, estou pouco me fodendo se em Taubaté chove ou faz sol, não exprimirei opinião a respeito disso.
Talvez apenas umas palavras de consolação a você Diniz: - no Brasil, desde a descoberta, nunca houve política. Houve sim o teatro do quem manda mais, usa mais e ganha mais. Portanto, não se sinta derrotado, porque na verdade derrotado é o país, desde o início.
Mas aproveitando o gancho (um belo gancho de direita, por sinal), devo admitir que tenho tido um certo asco de assistir os jornais televisivos a que tanto me apegava.
Todas as redes de TV resolveram condenar e executar o tal Nardoni e sua esposa Bruxa do Oeste, já que a justiça não o fará.
A polícia não tem como provar, a justiça não tem como condenar, então vamos induzir o povo a assassinar o casal, não é?
Pobre menina, morreu de forma trágica, aparentemente pelas mãos do próprio pai, mas isso não foi o bastante.
Não, vamos dançar sobre o cadáver, mostrar fotos de momentos felizes, depoimentos poéticos da mãe e toda essa merda sentimentalista.
Tudo isso só me leva a crer numa coisa: - no Brasil da Rede Globo, nem morrer em paz nós podemos.

Deco Ica disse...

Quanta revolta, hein Diniz? Mas é foda mesmo isso tudo.

E concordo com o Silver. Esse Caso Isabella já encheu o saco, um monte de curiosos e vagabundos tão acampando em cima disso como jovens que acampam pra comprar ingresso pro show dos Stones. E enquanto isso um monte de coisas acontece no Brasil e ninguém fala nada.

Mas discordo do Silver em uma coisa: é possível, sim, morrer em paz. Se você não for da classe média.

Deco Ica disse...

E um comentário que ia esquecendo:

"[José Bernado] Ortiz avisa: meu filho nunca trabalhou na vida".

José Ortiz, teu filho é o messias! Quero que ele me apresente a este sonho! Eu o seguirei por esse ideal.