terça-feira, 22 de janeiro de 2008

La Enrola

Desde novembro passado eu ficava ouvindo aquela porcaria de musiquinha sem nexo no SBT sobre La Lola. E nos últimos dias, ele usou a tática de camelô: "leva apenas um, se não gostar, não precisa voltar". E o povo, pato, deu a ele o segundo lugar na audiência.



Tudo por...


Ramiro (Lalo), o redator chefe de uma famosa revista dirigida ao público masculino, conduz sua equipe com a mesma arrogância que leva sua vida pessoal. Mulherengo incorrigível, vê as mulheres como meros objetos: estão a sua disposição para lhe dar prazer e são totalmente descartáveis.
Insensível ao sofrimento das inúmeras mulheres que abandonou, ao longa da sua vida, está a pronto de receber uma dose amarga do seu próprio veneno.
É aí que entra em
cena Romina, uma namorada que contrata uma bruxa para se vingar do rapaz. A bruxa faz um feitiço e transforma Lalo em mulher, Lola.
Preso num corpo de mulher, o garanhão terá que trabalhar fingindo ser Dolores "Lola" Padilla, vivida por Carla Peterson, que se apresenta na editora como uma prima de Lalo, chamada às pressas para ocupar seu lugar, enquanto ele viaja para a Alemanha, empenhado em cuidar do pai doente. Daí para frente, a trama se desenrola com situações impagáveis, com o protagonista descobrindo um novo universo, inclusive entender as diferenças do cotidiano de um homem e uma mulher. Entre as descobertas feitas por Lola, está a obrigação de aprender a usar salto alto e vestido, se maquiar, sofrer com cólicas menstruais e com a TPM.




Ou seja.... Todo esse siricotico por causa de uma versão novelizada e mexicanizada de Ranma 1/2 (da história do cara que vira menina com banhos de água fria), só que sem as piadinhas infames sobre lesbianismo e etc??

Ora, vai te catar, Seo Silvio!

2 comentários:

Xyka disse...

ahhh... é divertido... ^^, er... não? :p

:***************

Deco Ica disse...

Que merda. Por essas e outras eu tenho vontade de mandar o SBT tomar no cu.

Lalola... Com esse nome, não podia ser boa coisa mesmo...