quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Guess who's back?

Jax acordou cedo. Não tinha motivo nenhum – não estava atrasado para o trabalho, não estava atrasado para porra nenhuma. Foi para a sala com a TV, seu vício novo. Ligou-a sem muita esperança. A mesma coisa de sempre.
Programas culinários para solteiros que queriam impressionar alguma guria com “Batatas à Suíça”. Programas para donas de casa que queriam “ganhar um dinheirinho extra com pátina”. Programas de fofocas com seres de sexo indefinido. E os desenhos. Ah, os malditos desenhos.
Tudo era com olhos do tamanho de laranjas, parecia que os personagens viviam com uma fome e diante deles havia um prato de lasanha. Jax era do tempo do Jiraya, quando fazia algum sentido babar para uma japinha magrela usando collant. Agora vinham aquele monte de riscos, olhos grandes, expressões kitch. E as bandanas, amarradas em lugares alheios do corpo, pra quê diabos? Bandana é na testa, porra!

Mas enquanto surfava nas ondas alfa, deixou a telly no modo “surf”, quando poupava suas pilhas. Por um momento, algo que não costumava acontecer se sucedeu: o canal da Faculdade.
Em regras normais de temperatura e pressão, não existe um programa de televisão rodando naquele horário. Mas lá eles estavam.

A tela de abertura é nas cores rasta – vermelho, verde e amarelo – e um Leão de Judah estava piscando para o telespectador.

“GanJah É, O PROGRAMA DE VARIEDADES PARA VOCÊ QUE É DA NATUREZA!”

Abre o plano dentro do estúdio. Uma árvore que parecia bem real no meio do estúdio. Um violão encostado, e um cobertor estendido sobre as folhas, com um monte de penduricalhos. Sob a árvore, uma guria branca, com os cabelos ensebados por causa dos dreadlocks.

“OI MEU BRASIL DE LUZ, EU SOU A SHANTI, SUA AMIGA DO GANJAH É, O PROGRAMA QUE ENTENTE O QUE VOCÊ SENTE! VOCÊ QUE ESTÁ AÍ, NA CASA DO SEU AMIGO PORQUE ACABOU O FUMO PRO SEU BAS... CIGARRO DE PALHA, QUE ESTÁ NA SALA DE CASA PORQUE NÃO TEM MAIS QUE SER UM ENGRAVATADO, VOCÊ QUE SE LIBERTOU DESSE MUNDO MATERIALISTA, VEM PRA CÁ, VAMOS SOCIALIZAR, VAMOS APRENDER UM COM O OUTRO....”

Mas que caralho é esse, afinal?, pensou ele.

“- A GENTE TÁ AQUI COM SAMSARA FERREIRA, PROFESSOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS NA UFMG, ELE VEIO FALAR UM POUCO MAIS SOBRE SUA PROFISSÃO PRA QUEM TÁ PROCURANDO UM NOVO CAMINHO, UMA NOVA ALTERNATIVA, UM NOVO JEITO DE MUDAR ESSE SISTEMA.
- VALEU SHANTI, É UMA VIBE MUITO BOA ESTAR AQUI CONTIGO, EMBAIXO DESSE JEQUITIBÁ...
- SAMSARA, ESSE JEQUITIBÁ É CENOFRÁFICO, CARA...
- MAS ISSO NÃO IMPORTA, O QUE IMPORTA É COMO VOCÊ SENTE EM RELAÇÃO AO SEU AMBIENTE. O MESMO É NAS CIÊNCIAS SOCIAIS, PORQUE NELAS VOCÊ TRABALHA A RELAÇÃO DAS PESSOAS ENTRE SI, E COMO ELAS SE SENTEM VIVENDO EM COMUNIDADE. COMO VOCÊ COORDENA TANTOS PENSAMENTOS, TANTAS POSSIBILIDADES, TANTOS DESTINOS POSSÍVEIS... me passa a sedinha que eu tô com um paraibano que é....
- E MAIS TARDE VAMOS FALAR COM O NAZI, GRANDE PERSONALIDADE NO VALE DO PARAÍBA, QUE VAI NOS MOSTRAR COMO FAZER UM DUENDE DE DUREPOX PRA VOCÊ GANHAR UM DINHEIRINHO NA FEI-"

Jax desligou a tevê. Desplugou a tomada. Enrolou o fio da tomada com uma dedicação religiosa. E a atirou da janela do sétimo andar, assobiando um hit riponga do segundo álbum do Los Hermanos.

1 comentário:

Deco Ica disse...

Hahahahahaha...

Nada como um texto desses pra começar uma manhã de sexta no trabalho. Como diria a MTV: desligue a TV e vá ler um livro. Isso aí foi o dito levado às últimas consequências. Hahaha..

Mas seria legal se houvesse uma Tv hippie...