quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Tucanalhas

O qeu eu falo aqui não é nenhuma novidade. Não é nada de "jornalístico". É apenas o que habita o inconsciente coletivo.

Dom Fernando Henrique Boca de Sovaco, o FH do C, chamou os aposentados de "vagabundos", tendo se aposentado aos 37 anos como professor universitário. Sociólogo Hageliano, pessoalmente um dos piores e mais canalhas ramos da Sociologia moderna. Vendeu a Vale do Rio Doce por um saco de amendoins Nakayama sem sal, cinco croissants de chocolate do Pão de Açúcar e um passe múltiplo de 10 do Metrô de São Paulo. Comprou a própria reeleição em 1998, abrindo o precedente para o Mensalão, a grande pústula inflamada do Governo dos Vermelhos.

Covas, sim o velho Covas, que hoje jaz no próprio nome, colocou pessoas de calibre no comando da Educação no Estado. Comprou briga com a APEOESP, chegando às vias de fato. Jogou as universidades públicas na vala coletiva dos cambojanos e enterrou as chances de um ensino de verdade. Colocou aquele apedeuta, pederasta, pedófilo e torcedor do Flamengo do Gabriel Chalita, o Chabi, para instituir a Aprovação Automática.

Gerardo, o "Grande Anestesista de Pinda", o homem com "diguinidade (sic) e rrrrespeito com o cidadão", que não aceita que manchem sua honra como nos antigos romances de cavalaria, foi o macaco de imitação de seu antigo patrão (o Covas, que descansa em si) e, como é costume dos tucanalhas, tem um ótimo gosto para escolher seus vice-qualquer coisa. Cláudio Lembo, cruzamento da Vila Sésamo com a Usina Nuclear de Springfield, pefelista da estirpe de ACM e Jáder Barbalho. Uma marmota completa, como diriam no interior, que não consegue dar conta dos dividendos de sua própria política anti-social. Venderia o Aerolula para fazer cinco hospitais, e se deixassem, venderia a Petrobrás para construir mil ambulâncias.

Kassab, consorte do Rodrigo (que nunca vi mais gordo) como cantam as canções obscuras, saiu da vidinha mansa de vereador malufista para entrar na onda de Serra, cujo perfil público será tratado mais tarde. Por falta do que fazer, por falta do que roubar, por falta de criatividade para esconder suas mazelas, e como sendo um bom discípulo de Paulo Maluf, resolve parir factóides como uma Mother Alien, como fazia o personagem de Paulo Betti em "A Indomada", invertendo a mão de trânsito para esconder o próprio buraco. Vagabundo! Vaaaaagaaaaabuuundo!!!!!! Vagabundo é o vice, é o urubu político, é o oportunista abençoado pela compra casada da eleição.

Serra, o maquinista de trem-fantasma, o Gollum da Moóca, o paulistano nojento que faz com que sintamos vergonha de nascer na terra dos Bandeirantes, joga o coquetel anti-AIDS na mesa para esconder as ambulâncias que superfaturou nos anos em que esteve no comando da Saúde. Um prefeito acima da média, se colocarmos ao lado dele os últimos três prefeitos: Maluf, Pitta e Marta Suplicy (quem disse que ela é inocente?). Assim, até meu p**, de chapéu e óculos, jogando Sim City 3000, consegue ser um prefeito melhor para São Paulo. E, como governador, saiu bem em 2007 já cortando o dinheiro para as Universidades. Boa, Sem-Cabelo!

E, como cereja no sundae, uma coisinha que achei na coluna do Paulo Henrique Amorim, escrevendo para o portal iG.

COMO SERRA "COMPROU" O “AEROSERRA”

Paulo Henrique Amorim
Máximas e Mínimas 156

. A colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, informou nesta quarta-feira, dia 14, que o Governador José Serra comprou um avião que Geraldo (choque de gestão) Alckmin tentou vender e Claudio Lembo vendeu. (
Clique aqui para ler a Mônica Bergamo - só para assinantes da Folha)

. Não foi propriamente uma compra. Veja só:

. Durante a transição Lembo-Serra (entre novembro e dezembro de 2006), ficou acertado que o avião seria devolvido ao Governo de SP. A CTEEP (Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista) comprou a concessão de uma linha de transmissão de energia do Governo e pagou com o avião. Trata-se de uma linha do complexo formado por duas usinas (usina de Porto Primavera e usina de Taquaruçu). Essa linha liga São Paulo a Mato Grosso do Sul..

. Ou seja, a CTEEP comprou o avião. E depois comprou a linha de transmissão de energia com o mesmo avião.

. Quer dizer: pode-se dizer que a CTEEP ficou com uma linha de transmissão de energia por um avião que não era dela, mas do Governo de São Paulo...

. Será que o Tribunal de Contas de São Paulo viu isso?

. E a Assembléia Legislativa de São Paulo?

. Para ajudar a esclarecer essa questão, vale a pena lembrar o que disse a imprensa conservadora, especialmente de São Paulo, sobre o “AeroLula”.

. O que dirá a imprensa sobre o que se pode chamar, analogamente, de “AeroSerra”?

1 comentário:

Deco Ica disse...

Discordo da parte em que você diz que o Serra foi um prefeito acima da média, já que antes dele vieram Maluf, Pitta e Marta. Na minha opinião, Marta Suplicy (salvo alguns equívocos cometidos na gestão dela) foi a melhor prefeita que São Paulo teve nas últimas décadas.

Já Serra ficou dois anos, usou a prefeitura de trampolim (quando todas as pessoas sensatas e inteligentes já sabiam que ele iria fazer isso) e não fez absolutamente nada por São Paulo. Ainda deixou o boneco pefelista no lugar dele, achando que sabe fazer política. Assim é o PSDB: muito discurso e pouco trabalho.

Eles querem vender meu saco pra fazer 5 hospitais!