terça-feira, 25 de julho de 2006

Notas de Rodapé da Vida, a sua próxima novela das 8 que começa às 9.

Final da Primeira Fase de "Páginas da Vida"

Nanda, Léo (o pai desnaturado) e a filha de Carmen irão embora por falta de capacidade para atuação. Se mudarão para o núcleo jovem da teledramaturgia, mais conhecido por Gigabyte, a lanchonete mais desconexa que o Mundo da Lua. Lá eles irão valorizar seu passe e assim serão promovidos para o Horário Nobre, causando um paradoxo temporal no tempo-espaço (já que a primeira fase se passa em 2001, quando ainda éramos tetra).

De quebra, a filhinha da Ana, a Anoréxica, a bailarina rechonchudinha, irá também para o Gigabyte e seguir a tradição eterna de pedir um suco e não tomar uma única gota dele.

Manoel Carlos disse que um personagem será contaminado com o vírus da Aids. No caso, eu aposto que será Greg, que é mais promíscuo que os jogadores Amoroso, Ricardinho e Luizão, as 'putinhas da bola'.

Falando em putinhas, a personagem de Danielle Winits será demitida da casa-grande do núcleo estupidamente rico da novela. Lhe restará compartilhar o destino de Capitu, outra personagem do mundinho miúdo do Manoel Carlos. Entretanto ela será mais bem-sucedida. Abrirá um fotolog exibindo-se em suas aventuras sexuais, um blog com incontáveis erros de português e depois de casar com um otário rico, se aposentará e escreverá um livro contando suas memórias. Ficará do tamanho de um botijão de gás e será esquecida por qualquer putinha nova. Skatista ou de equipe de tunning.

Helena, a eterna musa do autor, no primeiro arco da novela irá ter um caso tórrido com José Serra e abandonará sua vida de médica dedicada para se entregar ao destino de "amante de político influente" e ganhar um pouco mais de dinheiro para sobreviver no Leblon. Irá aglutinar vários inimigos dentro do Partido dos Trabalhadores, por ter sido sodomizada por todos eles nas orgias brasilienses. Num ato desesperado, utilizará o terrorismo ao atacar um canal de televisão conclamando a classe média para pegar em armas e impedir a "ameaça vermelha" como nos tempos de 1964, juntamente com a vilã de Vale Tudo e o Reginaldo Faria.

A mãe da Nanda, a grávida, sofrerá um ataque cardíaco, um derrame cerebral e inflamará o fígado num golpe só depois de tanto chilique. No hospital, encontrará uma enfermeira do núcleo pobre da novela (Copacabana) inconformada de ter sido xingada no trânsito pela personagem e irá injetar uma seringa de ar em suas veias, o que causará uma embolia cerebral. Passará o resto da novela sendo um mero vegetal amargo, como um quiabo mal-temperado.


***
EXTRA: Um gerador de novelas do Manoel Carlos, cortesia do http://www.mundoperfeito.com.br .


Helena, a desavisada - Cena 666

O Barquinho Vai como trilha incidental. Helena e Carlinhos Animal estão andando de mãos dadas na calçada. Câmera desfoca no morro do Cantagalo que aparece ao fundo, mas ainda é possível identificar o local. Os dois resolvem se sentar num banco pichado pelo Comando Vermelho.


Carlinhos Animal:

- Você viu o que os noticiários andam inventando? A reeleição de Ângela Guadagnin do PT, a concorrência dos paulistas do PCC e o preço alto do haxixe no mercado paralelo. Quem eles acham que enganam?


Helena:

- Ah, eu é que não caio nessa. Atualmente eu só acredito em um curso de pompoarismo.


Carlinhos Animal:

- De fato. E se possível em Beirute, bebendo rabo-de-galo... Hahaha!


Helena:

- Como diria Carlotinha: Nosso passado é como cozinha de pastelaria. Se conhecer por dentro, ninguém mais come! Aliás, você soube que ela casou com o Bené?


Carlinhos Animal:

- E quem não soube? Mulher de sorte está aí. Agora tem até segurança com uma metralhadora do Exército na porta de casa!


Helena:

A gente podia marcar de ir amanhã para uma boca-de-fumo com eles... O que você acha?
Carlinhos Animal:

Por mim tudo bem, porque eu já sou rico. Mas você não tem trabalho?
Helena:

E você acha que eu me preocupo com uma clínica de estética? Pega o celular e liga para eles...

Carlinhos Animal tira o celular do bolso. Câmera agora foca no morro do Cantagalo. Sobe O Barquinho Vai.

Sem comentários: