quinta-feira, 30 de março de 2006

I'm siiiiiiiinging in the rain...... Jes' siiiiinging in the rain......... (ATUALIZADO

Acordei procurando a Estrada Branca entre Dois Rios. E acabei achando meus CDs perdidos, inclusive The Magic Numbers, aquela dos gordinhos roqueiros - sem relação com Tias Fofinhas (Tears For Fears - uma piada interna).

***

I said please don't slow me down if I'm going too fast....

***
Por quê eu não parei de fumar?

Essa era a vinheta da MTV. E esse é o lema da minha vida a partir de agora.

Estava eu com as duas moças: Vento e Raijin numa tarde de quarta-feira. "Dane-se o Alexino, eu preciso de um dia de folga" eu disse a mim mesmo. Tirei a tarde para um passeio no Downtown bauruense. Então começou a coisa de sempre - as "orgias da casa do Max" de computadores, novela e pôquer Texas - uma rodada e tudo mais foi pro inferno. Vamos beber, pensamos.

I never thought that this could happen to me, twice. Primeiro em encher o latão falando tanta putaria num lugar aberto - principalmente com Vento e Tempestade. Em segundo plano com as consequências, como disse Pai Mei. Um brinde para Marcos Pontes, padrinho do desvirginamento espacial brasileiro. E não foi o único foguete a decolar da base histórica.

Countdown on the base. Four, Three, Two...

Quentin Tarantino nunca mais será o mesmo depois da noite de quarta-feira. Mr. Pink discutia quem havia sido o alcagüete do plano fracassado à joalheria, enquanto Fujin pediu um beijo, depois de horas de uma tensão parecida com a Crise de 1963. Claro que não era comigo o pedido mas entramos em rota de colisão inevitável.

Depois de cinco minutos no diminuto sofá, a unanimidade besta de Nelsão: "Simbora pro quarto".As chances eram mínimas para mim, desde que o Vento e a Tempestade sempre são uma boa combinação e eu estava com os ímpares contra mim. Topei com a Tempestade na sala de estar antes da consumação. Ora no Vento, ora na Tempestade. Mas a noite era de chuva forte e eu saí sem minha capa.

Round 1, ready? Aquela coisa, bola pra cá, bola pra lá. Um bom tempo que eu não jogo bilhar, e eu nunca fui butequeiro. Mas consegui um arrematezinho aqui, outro ali. A Tempestade era alta demais, quase da minha altura. Odds against me. Primeiro e dez jardas para a zona final, eu consegui o meu touchdown.

Round 2, ready? Lá continuava a chuva forte e eu dançando nu como eu um dia tinha primetido a mim mesmo certa feita, só que lembra do cigarro? Lembra das biritas? Acho que a tirada de onda com minha contra-parte acabou mexendo com seus brios e eu acabei ficando lo-batt.

COISAS DA VIDA.

Só me restaram as piadas, último recurso que deixou-me Clarah de lembrança num livro qualquer.

E cá estou.

Desculpe Mingus. Desculpe Irmãozão. Desculpe a todos.

Como disseram certa vez, "não vai acontecer de novo". Hoje largo o cigarro em definitivo.

Sem comentários: