quinta-feira, 21 de julho de 2005

New Age #3: Esporte de Rico.

Não é bridge. Não é polo eqüestre. Não é nem sky diving. É política. Fico vendo pelos polemistas de botequim que o novo esporte-mania na nação tropical abençoada por Deus e bonita por natureza, não é nem o título do tricampeonato do Super São Paulo, nem as ninfetinhas e aqueles caras do vôlei que arrebanharam mais um título internacional. Não se discute os méritos da MSI, não mais. Uma pena. O Kia Joorabchian, na minha humilde opinião, é um assunto mais interessante e mais indigesto de se tratar que o Marcos Valério, "O Operador do Mensalão", título que eu não aguento mais ouvir nos noticiários. Sem falar que as falcatruas de Kia, "foragido" no Irã, na Rússia são bem mais cabeludas (envolvem petrodólares, lavagem de dinheiro, associação com o tráfico de armas e drogas) além do próprio Kia ser mais visualmente ergonômico.

E no lugar do squash, a burguesia, aquela mesma que lê VEJA e fica feliz com seu Diogo Mainardi, deu-se a discutir política. Bollocks. Pra quem não sabia se mandava os filhos para os Estados Unidos ou a Inglaterra na hora do intercâmbio, até que ficaram bem aturdidos com esses acontecimentos. "Oh meu Deus, Fernando, venha cá que o noticiário político vai começar!". O Lula sabia ou não sabia de tudo isso? O PT é mais um partido comum ou eles traíram a confiança do povo? Vai ter impeachment do presidente? Quem vai assumir, o empresário ou o Severino, aquele sujeitinho intragável? Quem vai ser o próximo a ser demitido no "O Aprendiz do Bob Jefferson"? Não se fala de outra coisa no Leblon.

Outros que se dão bem são os caras do humor fácil. Nota para o comentário do Vasques, não que ele seja o cara mais divertido da turma: "só no Brasil aumenta a venda de máscaras de políticos em pleno mês de Julho", ou algo parecido. E depois disso vem o Kibeloco, vem o Eu Hein, vem a turma da anarquia tirando onda com todas as alternativas acima, e vamos vivendo com um sorriso nos lábios.

Agora, o que eu acho de tudo isso? Bem, pegando o formulário do segundo parágrafo:

1) Sim, ele sabia. Só não sei se ele ganhava em cima disso ou não. Bom, pelo menos se esqueceram que o Lula é analfabeto, cachaceiro e trapalhão. Menos mal. 2) Depois de 2002, virou um partido contaminado com tantos picaretas que entraram no Trem Vermelho. Se o Ciro Gomes, símbolo do marido ideal ("A Patrícia Pillar possui um papel muito importante na minha campanha. Ela dorme comigo") conseguiu uma vaguinha logo depois, estranho que o Eurico Miranda e o Edmundo Vianna, vulgo "Caixa D´Água" não entraram também nesse esquema das arábias. 3) Se tiver, a Globo vai ser a primeira a piquetear para que o Lula saia. A gente se vê por aqui, com toda a certeza. 4) Quero que seja o Severino, porque das duas uma: ou esse país vai pra merda de vez e a gente acorda pra tocar de vez o puteiro, ou a gente se fode de vez e vira isso aqui uma grande Havana imperialista. 5) Segundo as previsões, o próximo a cair é Luís Gushiken, professor do Departamento de Psicologia da Unesp de Bauru e também ministro "RP" do Governo Lula. SÓ QUE acabo de ver que o Heineken também caiu. Entonces não falta mais ninguém.
* uma coisa: repararam que ultimamente os ministros do governos são referidos como "ainda ministros"? o "Ainda Ministro" da Economia Antonio Palocci, etc...

* mais uma coisa: onde é que fizeram a pesquisa de opinião quantitativa sobre a aprovação do governo Lula, a rejeição dos candidatos e os cenários de campanha? Ou foi na porta do Diretório Acadêmico da UniBanBam, ou foi na porta da casa da CUT. Vai saber.

Sem comentários: