domingo, 20 de fevereiro de 2005

Cada vez mais essa porcaria vai acabando. "Salary Man".

O dia começou de um jeito que eu não queria que começasse. Na verdade, queria que esse dia jamais tivesse existido. Para se ter uma idéia, começa comigo cagado e vomitado na minha cama. Bati o olho no relógio, eram onze da manhã. De quinta.... porra! Maldita Quinta-Feira! Se eu cheguei em São Paulo na segunda e saí com o moleque na terça à noite.... puta merda.
Minha cabeça, além de comportar uma dor lancinante, tinha um clarão de memória de mais ou menos trinta e duas horas. Juca, parabéns - você quebrou a banca do cassino dessa vez. Nem quando você era pirado na facudade você dava uma dessas. O que pensaria o velho se me vis.... merda. Alan.
Tudo bem, tá tudo certo. Ele tá na sala, assistindo aos desenhos. Sem fobias. São só alguns passos até a sala e encontrar... ... a sala numa zorra completa. Não me lembro de uma putaria tão grande no meu apartamento desde os tempos da festa do cabide que eu e a riponga uma vez armamos. Olho direito e vejo a Cíntia esparramada no sofá com as muletas do lado da tevê.

- Ciça, acorda.
- Oi, Tigrão.
- Que 'Tigrão' o escambau.
- Não disse isso ontem, eu acho.
- Olha, você sabe onde está o Alan?
- Aaaah, ele está, ou estava pelo menos, com uma de suas amiguinhas ontem. Uma loira altona, olho castanho-claro. Você sabe, que veio junto com seus amigos anteontem à noite. Nossa, eu não tenho um dia desses faz muito tempo, sabia?
- Me diz que eu não brinquei de Hollywood aqui ontem o dia inteiro....
- Não sei o que isso significa, mas que ontem você tava fodaço, tava. Eu nunca vi ninguém misturar tanta coisa ao mesmo tempo e ainda ficar vivo pra reclamar da zona da sala. Ah, eu achei um charme aquela marquinha de nascença que você tem na parte de dentro da coxa....
- Olha, depois a gente conversa, certo? Eu preciso achar o moleque antes que eu realmente tome no cu.

A minha primeira parada com certeza era o Aoki. Certamente ele poderia no mínimo me esclarecer o que realmente aconteceu. Obviamente, ele não morava no puteiro; ele tinha uma casa até que bacana no Sacomã e lá fui eu cruzar a cidade por causa daquele puto do moleque.

- Bom dia, o senhor Carlos Eduardo está?
- Quem deseja?
- Diga que é o Juca.
- Um momento, ele está indo receber o senhor.

- Aoki, eu-
- Seu picareta filho da puta! Você não vale um cuspe no chão, sabia disso seu imbecil? Sorte sua eu ser um cara razoável, senão eu iria comer o seu cu no café da manhã junto com o seu dinheiro de merda que não cobriu nem um terço do prejuízo que você me deu e aquele seu cartão de crédito que tá mais estourado que a xoxota da tua mãe! Me escuta bem, nunca mais apareça no Shinjuku, tá me ouvindo? Você, seus amigos e principalmente aquele moleque retardado que você colocou dentro do meu estabelecimento. E só pra terminar, reza pra não encontrar o Cosme no seu caminho porquê senão aí sim você tá fudido, seu escroto!

Oops.

(Continua)

Sem comentários: