sexta-feira, 14 de janeiro de 2005

Notas de Caderno na Faculdade: A Vingança contra Sex and The City

Sabe qual é realmente o problema da Humanidade? Não são os desvairios do Bush, intempéries naturais, grupos terroristas, a fome na África. Tá certo, esses são problemas mas a mãe de todos os problemas, de todo o ódio entre seres humanos é a cuzonice feminina.

EXPLICANDO A PROBLEMÁTICA: Depois da Revolução Feminina, depois das salary women, e de todo a revolução nas relações entre homens e mulheres que se seguiu nos anos 80 até o primeiro decênio do século XXI, surgiu um novo tipo de mulher que não foi catalogada por Içami Tiba nem pela nariguda da Sarah Jessica Parker.

"A travestilização da Mulher": a mulher atual é um misto da mulher submissa e recatadinha dos anos quarenta com a guerrilheira sexual de 1999. Elas pulam de um paradigma para outro quando bem entendem. Ela usa a pose de flor fina do deserto quando estão na defensiva e a de devoradora de homens quando encontra uma brecha no otário macho moderno. O pior de tudo é que está sendo criada toda uma geração de imbecis e panacas que acreditarão que as mulheres são "tudo isso". As mulheres, em geral, se tornaram "travestis" ideológicas: não são homens pra aguentar o embate da masculinidade mas não são mulheres pra assumir que realmente são sensíveis e "mulherzinhas".

DISTRIBUINDO A SOLUCIONÁTICA: Em um primeiro estágio, a galhinhagem seria uma boa saída a curto prazo. Se elas querem um idiota pra ficar babando em tudo o que elas fazem, é melhor mexerem mais suas bundas gordas e fazerem algo realmente especial. Em outras palavras: "fight crime: shoot back".

Ou, que pelo menos assumam um lado no equilíbrio do poder. Ou sejam mulherzinhas, ou mulherzonas. Essa de ficar de cu doce, sinceramente. Como diria Marcelão, um dos malucos da Turma da Madrugada (o clã de malucos, bêbados e psicóticos do Alto da Ponte, SJC): Contra um cu doce, nada melhor que um pau salgado".

Sem comentários: