quarta-feira, 25 de agosto de 2004

Parte 5 de "Código de Honra" - 'Mudança de Humor'

- Sr. Caio, tem um senhor na portaria querendo falar com o senhor.
- Ele se identificou, Jeferson?
- Ele disse que chama Miguel.
- Ele está com alguma coisa, bolsa ou jaqueta?
- Não senhor. Quer que barre o indivíduo?
- Não faz nada. Revista ele e deixa-o entrar. Fala pra esperar no pátio.
- Sim, senhor.

Miguel esperava por Caio no pátio de uma empreiteira tercerizada que prestava serviços a uma construtora de conjuntos populares na Grande São Paulo. A sede da companhia não era pomposa, apenas um galpão reformado com salas de reunião e um escritório, duas pick-ups de trabalho e o carro pessoal de Caio, um Vectra CD preto.

- Salve, grande!
- Salve. Cadê o dinheiro?
- Tá aqui.
- E a garrafa?
- Tenho ainda que comprar; tenho um amigo em Tamboré que mexe com bebidas finas.
- Caraio, o que a gente vai fazer em Tamboré se pode comprar em qualquer lugar?
- Qualquer lugar nada, esse meu amigo te dá a garrafa agora, se quiser esperar mais um dia pra ter o seu dinheiro e sua garrafa, ótimo. Mais um dia pra tentarem saber quem matou Ricardo Sampaio... A não ser que conheça um boteco de esquina que venda garrafas de uísque de mais de quinhentos reais o casco.
- Certo. Me dá o dinheiro e depois eu pego a garrafa.
- Pra quê esperar? De lá te dou carona até a Barra Funda, então você pega um ônibus pra qualquer lugar, não tem muito com o que se preocupar. Suas coisas estão lá, certo?
- Porra, tá certo. (snif)
- Entra no Vectra, ele não tem problema. Olha o adesivo...

No carro, havia um adesivo de investigador da Polícia Civil do Estado de S. Paulo.

- Carro preto, vidro escurecido, ta cheio da grana, cumpadi. Ô, tu era da Civil?
- Era. Disse bem. Função administrativa, apenas... Nem atirar direito eu sabia. Apenas era mais um nerd que tinha um emprego que achava ser emocionante apenas por ter uma estrela no peito e uma identificação na carteira.
- Cansou de bancar o Vigilante Rodoviário? Hahahahahahah...
- Na verdade eu era o cara mais santo na Polícia Civil naquela época. Mas tinha um cara que tinha que ser mais filho da puta... Acabou com a minha vida e com a vida da minha família. Divórcio de uma loura gostosa, dois filhos mimados com a separação... Meu filho quer o carro pra levar a namorada pro parque amanhã, MEU CARRO. Tudo por causa de um desgraçado que não sabia o que é ser amigo dos amigos.
- Sampaio?
- Isso.
- Posso levantar o vidro?
- Pra quê? Perder o ar condicionado?


Continua

3 comentários:

Anónimo disse...

Tô completamente perdida nesse teu blog. Não sei mais onde parei, tá tudo akaraiado.. Num acha que tá postando demais não? Não tá dando pra acompanhar. Que tal dois posts por semana?
;/
Iris

Anónimo disse...

Tô completamente perdida nesse teu blog. Não sei mais onde parei, tá tudo akaraiado.. Num acha que tá postando demais não? Não tá dando pra acompanhar. Que tal dois posts por semana?
;/
Iris

Anónimo disse...

É a segunda vez que eu venho comentar e não dar certo, assim é de lascar!
Só quero dizer que akaraiei tudo e me perdi. Não tô conseguindo te acompanhar, que é que tu acha de postar só duas vezes por semana??
;/
Bjim..
Iris.