sexta-feira, 9 de julho de 2004

Bons meninos vão para o Céu. Maus meninos chutam a bunda do Capeta.

----> Sempre fui contra "Best Sellers". Tá certo, nem tanto. Li "O Poderoso Chefão" antes de assistir ao filme do Coppola, e foi o livro que me fez ver o filme. Mas eu nunca fiquei com o olhar fixo para a prateleira de sucessos de venda. Sempre achei esse tipo de literatura um ultraje, sold out como dizem os americanos: sem compromissos. Depois daquele livro do queijo apareceram outras idiotices, até uma sátira na internet: "Quem fumou meu baseado?", para estudantes universitários. Mas, como sempre há uma hora pra começar...

Véspera de feriado de 9 de Julho. Estação Barra-Funda. Tudo lotado. Eu procurando na revistaria o quinto e o sexto volumes do mangá "Cowboy Bebop", na minha opinião um dos animes mais excitantes dos últimos anos, no aspecto técnico e no carisma. Nada, apenas o último. Parece que vai ficar com um a menos por enquanto. Então, olho para a prateleira de "best sellers". Encontro no pedestal um livro chamado "Deixados para Trás - uma Ficção do Fim dos Dias". Fiquei curioso, lembrei de imediato do "Ismael", Lutando contra a Lei num Vale do Paraíba apocalíptico. A curiosidade bateu. Mas o preço me deixou de pau-mole, quase quarenta reais por um livro. Doeu no bolso do universitário pé-rapado.

Estação Tietê, 21:51. O ônibus que teria lugares só sairia às onze. Então, de raiva com a minha "boa sorte", eu comprei o livro - fazia mais ou menos uns quatro ou cinco meses, até mais, que eu não comprava nenhum livro pra mim. Uma, duas três, cinco, quinze, vinte e cinco, trinta páginas. Já Elvis.

Bom, a história é a seguinte. No meio de um vôo transatlântico num 747, um piloto não muito bonzinho (ele pretendia dar a volta na mulher fanática religiosa e sair com a comissária de bordo) é infomado pela aeromoça que haviam sumido passageiros. Sim, sumido. Evaporado. Deixaram as roupas no lugar onde estavam e se pirulitaram. O pior: não era apenas no avião, não era Triângulo das Bermudas Atualizado: a merda tinha acontecido no mundo inteiro. Crianças, pré-adolescentes, e outros a esmo sumiram, em todos os lugares. O caos estava instaurado. No mesmo vôo, um jornalista (sim, sempre eles) que tinha presenciado um outro fenômeno inusitado (um ataque massivo da Rússia contra Israel - visando aniquilar o país que tinha desenvolvido uma fórmula de fertilizante de alta produtividade - ser frustrado por uma chuva de fogo, pedras, granizo e terremoto) corre atrás de informações.

Tentei angariar informações a respeito do escritor, Tim LaHaye, mas parece que o cara é um pastor evangélico. Lá vai o Andrézão enfiando a língua na bunda por tirar onda de coisas gospel. Mas o livro não parece uma pregação de Escola Adventista, do tipo "Escola Sabatina". A coisa é mais fluente, mais sutil, tem toques de teoria da conspiração, coisa que vira filme. E acabou virando, infelizmente pelas mãos dos canadenses, reconhecidos mundialmente por fazerem o pior cinema comercial do mundo.

Bom, eu não vou contar mais nada a respeito, afinal de contas ainda nem terminei o livro.

4 comentários:

Tania disse...

Oie André! Tudo bom? Friiio demais!!!
beijão!

Whiskey Jack disse...

Sobre o filme, outro dia vi numa prateleira cheia de porcarias.
E o pior, era a continuação! Deixados para trás 2!
Pela capa pensei que se tratava de um daqueles filmes toscos de guerra que passam na Band.
Nada como HollywoodLand para destruir bons livros. Se é que é um bom livro. Me fez lembrar das Revelações de São João.

Anónimo disse...

Como sou uma boa menina eu vou pro céu (ai nem vou encontrar com o minduim) ahuahuahauha.
Ow quando der entra no meu blog: www.elesprecisamdenos.weblogger.com.br

Falow!

Anónimo disse...

Oi André...
Vai me emprestar seu livro novo pra eu ler em suaves prestações e te devolver antes do fim do curso!?
Beijão!
Carol
http://naestrada.zip.net